quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Entendendo a inteligência: Treino de habilidades (parte IV)

Esta é uma das minhas séries de postagens que mais gosto. Na parte I (que pode ser acessada aqui), defini a inteligência como "comportamento inteligente". No caso, quando se vê alguém inteligente, na verdade, está-se observando que esse indivíduo se comporta de forma bem-sucedida sobre determinada matéria.

Na parte 2, defini a aprendizagem como um dos processos da inteligência e que existem diversos tipos de aprendizagem, tais como aprendizagem com palavras e sem palavras.

Essa imagem representa de maneira bastante interessante sobre
diversas habilidades que as pessoas deveriam treinar.
Na parte 3, abordei uma das principais características na hora de estimular a inteligência: organizar-se. E citei quatro regrinhas básicas:

1 – Defina o foco de estudo (as disciplinas) ou o que você quer aprender especificamente.

2 – Divida os assuntos em unidades pequenas, fáceis e rápidas de estudar.

3 – Tenha prazos.

4 - Comece!

Baseado nesta última parte, quero aprimorar essas regras com uma experiência que tenho feito com uma amiga e que tem dado certo até o momento.

Primeiro: Definimos o que queríamos - no caso, é a regra número 1. Basicamente, queremos estudar mais e de forma mais proveitosa. Para tanto, separamos os materiais que seriam necessários e desses materiais separamos os assuntos de cada disciplina (regra 2).

Segundo: Fazendo isso, ficou mais fácil de ajustar os prazos (regra 3) que precisaríamos para cada disciplina. Cada semana deve ser reservada para x e y assuntos.

Terceiro: Analisando o comportamentalismo para entender melhor o "comportamento inteligente", descobrimos que os comportamentos são "motivados" por suas consequências de curto prazo, ou seja, se a consequência de estudar for estar liberado para comer um sorvete favorito ou, no fim da semana, estar liberado para ir a uma festa desejada etc (ou, caso a meta não seja cumprida, ser impedido de receber as recompensas almejadas). E se você se perguntar: mas você disse que a consequência deve ser de curto prazo. Certo, mas quando há a "expectativa" da recompensa isso será uma recompensa de curto prazo que motivará o comportamento até o momento de receber a recompensa principal.
Mas voltando ao experimento: baseado nisso, determinamos diversas recompensas que seriam "liberadas" após realizarmos nossas tarefas, isso nos daria maior motivação para realizá-las.

Quarto: Começamos, enfim, como diz a regra 4! Mesmo sem organizar tudo 100% como queríamos, consideramos que é melhor começar e ir se adaptando aos poucos do que usar a adaptação para ganhar tempo e nunca iniciar. A organização é essencial e deve-se ter um mínimo dela, entretanto, não se deve ficar preso a isso de forma perfeccionista, pois pode-se acabar entrando numa popularmente conhecida como "zona de conforto", da qual nunca se sai.

Mais: Um item importante que pode ser adicionado é o feedback a ser trocado entre amigos. É importante alguém estar analisando seu progresso, pressionando, elogiando-lhe por estar conseguindo fazer e lhe ajudando em possíveis dificuldades.

Lembrando: Tudo que fazemos é devidamente anotado e analisado para posterior correção do que não vai muito bem e da repetição daquilo que dá certo.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...