domingo, 30 de setembro de 2012

Os políticos corruptos têm a consciência pesada?

Eu queria começar essa postagem falando sobre o capítulo 2 de "A República", de Platão, que trata sobre a justiça ser um bem em si mesma: ser justo e honesto é algo bom ou as pessoas são assim apenas para evitar punições?

Pois bem, lembrei-me então de uma discussão que tive com alguns amigos onde surgiu os seguintes questionamentos:

"Será que os políticos corruptos, aqueles que deliberadamente roubam milhões de milhões de pessoas, ficam com a consciência pesada?"

"Será que algum dia algum corrupto se arrepende ou ao menos pensa em confessar seus crimes?"

"Como o José Sarney dorme à noite?"
Ser justo é construir a sociedade 
para si mesmo e para os outros.
Imagem: Constructing Justice Painting
by Ivan Yuri Ruivivar

"Ou será que, apesar de tudo, eles acreditam que fazem o certo e que eles são merecedores do que estão fazendo, pois qualquer outro faria o mesmo e ninguém é herói nesse mundo selvagem?"

Fiquei pensando mais: e se eu, que prezo pela honestidade, me tornasse um político, como seria? Eu entraria para a política com o desejo de ser um diferencial, tentaria lutar por um mundo mais justo e, aos poucos, vendo a impossibilidade de mudar as coisas, iria me corrompendo, deixando-me ser mais tolerante com certos "jeitinhos" até que chegaria ao ponto de ser de fato corrupto e buscaria, enfim, a corrupção ativa e as vantagens pessoais?
Ou eu iria lutar até o fim, pois a justiça seria a minha finalidade, e a honestidade o meu norte, e me sentiria bem mesmo se malsucedido na minha luta por uma sociedade que dê melhores oportunidades às pessoas?


Sócrates afirma que ser justo e honesto é um bem em si mesmo, ou seja, que é bom ser honesto e pronto. Por que? Porque só assim a sociedade funciona direito e o homem precisa dessa sociedade pois tem necessidade de viver em grupo. Ao corromper parte dessa sociedade sendo desonesto, ele está destruindo a própria estrutura que precisa para viver: e isso o torna mais infeliz.

O que é ser desonesto? Se o médico honesto é o que cura, o desonesto é o que não cura. Se o sapateiro honesto é o que conserta sapatos, o desonesto é o que não conserta. Se o pedreiro honesto é o que constrói casas, o pedreiro desonesto será o que não constrói casas. Se o político honesto é o que bem governa, o político desonesto é o que mal governa.

Então se o homem precisa dessas coisas para viver bem - lembrando que o homem é um ser social, que precisa de outros para viver: precisa do médico para se curar, precisa do sapateiro para fazer seus sapatos, precisa do pedreiro para fazer suas casas, precisa do político para governar sua cidade - a injustiça e a desonestidade trarão infelicidade e insatisfação. Mesmo para o desonesto, que também sofrerá, em algum momento, com os efeitos das injustiças que pratica.

A justiça/honestidade pessoal deve funcionar mais ou menos da mesma forma: sendo justo e honesto em todos os pontos da sua vida (casamento, família, filhos) pode fazer com que as coisas funcionem com perfeição, pois a injustiça é uma falha em algum desses aspectos que mexerá com vários outros.

Será que os políticos corruptos conseguem ser desonestos na política e honestos com suas vidas privadas - são sinceros com suas esposas, filhos e consigo mesmos? Acredito que não. Pois se a honestidade é fazer bem as coisas e se eles não fazem bem seu ofício - mesmo defendendo publicamente que são aptos para tal - como serão honestos em outras questões de suas vidas privadas?

Enfim, não sei se o Sarney dorme tranquilamente à noite ou se outros políticos corruptos ficam com a consciência pesada em algum momento de suas vidas (como viver em paz sabendo que se prejudica milhões?), mas o que se pode concluir é que contribuem para destruir a sociedade que eles mesmos fazem parte. Se vivem em paz, isso é com eles...


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...